Macaco Sem Noção MSN

quinta-feira, 3 de setembro de 2015

TUTORIAL DIZ-SIMULADO PRA SAIR DA CRISE

Saia da Crise é(e) curta ! E ela sabe disso...
Driblar crise e sair ileso só com plano nunca vem demo, nunca sem meta, só me tendo.

Alias-me tinha um plano eu punha a meta, mas não vamos colocar a meta, eu porei o plano que vamos deixar a meta aberta, mas, quando atingirmos a meta eu poria o plano em curso, aí vamos dobrar a meta que eu ponha em plano...
Essa é a meta do meu plano.............
Faz-se sem ter tido por que ter é tido como não ter tido o que nunca tive um plano, a meta que tenho de ter tido uma meta sem ter plano, essa é a meta, esta no plano, estou pleno e de acordo com plano e nunca que vem demo, só se aprende se vem sendo.
Vem ser é o plano sem ver a meta, sempre com plano, com plano e com plano, e a meta é a meta, dobrar é o plano e depois de dobrada a meta é outro plano da mesma meta.
Em suma não se mede a meta que é o plano e não suma assuma que eu ensino, mas não se vem demo, tem que ser na raça, nunca vem demo e só com plano, com plano e com plano.

By Tatto

Nos vemos no paraíso pós-crise pessoal...
Reze um Pai nosso, bata um bumbo e sacrifique uma galinha carijó de pescoço pelado e
DeussssssssssssssssssssssssssssKiajude .....

segunda-feira, 1 de junho de 2015

FILOSOFANDO SOBRE O FOFOCAMENTO


"Fisolofando sobre o fofocamento"
Fotografia by Joarez Costa Fotos 
Curta sua página em ( FANPAGE FOTOS PARA CURTIR E COMPARTILHAR )

- O noticiário popular esta de fato sob suspeição, hoje em dia os meios de comunicação se proliferaram de tal forma e se contradizem da mesma "tal forma" de 10.000 anos atrás. 
- Assim sendo fez-me recordar dos meus bons tempos de playboy onde as mensagens eram dadas em telefones públicos, cartas ou pelo veloz possante, pessoalmente...
- Mas o engraçado é que a forma com que se chega e chegava a notícia do outro lado da cidade nos mais diversos ouvidos alheios ainda tem as mesmas características "deformatórias"...
- Se tu soltava um simples e inofensivo "peido" numa das longínquas extremidade da cidade, antes mesmo de você chegar na outra extrema, já corria a ( manchete ) de que você havia "Cagôrado todo" literalmente as suas calças...
- É !!! O tempo passa, o tempo voa e a boquinha do povinho continua, continua, continua e continua... 

bOuA sUmAnA e DeusssssssssssssssssssssssKiajude...
Emoticon confuseDd

sexta-feira, 13 de março de 2015

ASSUNTAMENTO DE INTERESSE PÚBLICO



O BUNDA
( Uma reflexão na discussão ótica entre olhos e consciência num carnaval qualquer )



Não, você não leu errado, é mesmo sobre bunda a abordagem deste texto, só que da bunda no substantivo masculino maiúsculo, ou seja, a bunda ou “O” bunda própria se é que se pode qualificar ou classificar um/uma bunda.
            Imagina-se que “o bunda” não pareça estar falando dos glúteos e sim da personalidade da pessoa que no popular seria um indivíduo sem muita coragem ou aquele que não toma decisões acertadas, o cara medroso que titubeia e finge que o assunto não é com ele... O sujeito (bundão), mas também não é esse o intuito que leva a parafrasear esse tão insustentável “órgão” do corpo humano.
            Quando se diz “o” bunda é porque esta falando de sua própria bunda, ou seja, uma bunda masculina aqui no caso específico, e no meio machista jamais um homem poderia referir de sua própria bunda no substantivo feminino.
            Veja bem, quando bebês a mãe e as mais afoitas titias tornam o alvo para mordiscadas, beijos e beliscões é justamente a bunda, aqui no caso é “O” bunda que nesta idade são lindas, cheirosas, tenras e aveludadas almôndegas de amor.
            Já na idade infantil se torna objeto quase desprezível, pois é de um tempo aonde em qualquer chão irão se esfregar, areia, terra dos parquinhos e gramados, os mais imundos, e se tornam verdadeiro imã de cintas, chinelos e palmadas, berebas coceiras e feridas tomam conta desses que inocentemente é imposto e esta é a sua empreitada.
            O bunda fica adolescente antes mesmo do próprio adolescente começando a chamar atenção muito antes que a feição e vão ficando mais resguardadas pelos tutores que não querem expostas tão preciosas peças aos olhos de estranhos.
            Começa a fase adulta do bunda, e a partir da maioridade ela causa ansiedade e nos olhos saltam as vontades, é aí que o dono do bunda nota seu protuberante órgão como se este fosse uma alegoria, são tratados com um sublime diferencial onde “O” bunda tem a percepção de que o seu é atrativo e a dos outros é atraente, começa aí o jogo de sedução das bundas, “A” bunda até na fotografia se torna indispensável e “O” bunda fica louco de excitação quando se depara com “A” bunda, aliás, “O” bunda fica louco até mesmo por “OUTRO” bunda.
            Desse ponto em diante os encontros entre o bunda e a bunda são abundantes, a bunda vai o bunda vem e por diversos ciclos as bundas têm encontros onde a bunda entra e o bunda sai, a bunda chega e o bunda vai numa dança de frenesis constantes até onde a maturidade faz com que todas as bundas sejam boas a ponto de começar a confundi-las de tantas que são... Bundas grandes, pequenas, finas, grossas, peladas e peludas, gordinhas, musculosas, siliconadas e também de muitas cores e tão sempre polpudas e gostosas.
            Num certo e também errado momento torna-se fundamental o uso consciente do bunda, pois pelo próprio fato do intenso uso nem se nota que o tempo te fez confuso e assim sendo esquecido momentaneamente esse órgão que como dito é insustentável faz-se da lei gravitacional sua ferramenta funcional para que inevitável se torne o que tem de ser já que te cobra o peso do tempo, se é que existe peso em algo tão desenxabido.
            É impactante o resultado do agravante momento em que se nota o bunda tão flacidamente prostrado, pálido e enrugado aquele que a pouco era tão cobiçado, numa sofreguidão sem fim, agora tão dolorido e esfolado.
            Torna-se necessário ocultar novamente tal como se fez há tempos seus tutores ao começarem a notar o prelúdio de sua exuberância, diferente do exibicionismo inerente ocorrido nos bons tempos quando de tão belo só trazia contentamento.
            Vê-se então o bunda velho, o bunda idoso, o bunda decrépito, cansado e usado como jamais visto e torna-se necessário uma intervenção, duas, três, sei lá, quantas necessárias forem na visão feminina, porém na masculina somente o velho metrossexual e o homossexual entram em pânico e usam de artifícios corretivos, já o velho acomodado assim como o casado quase nem notam seu traseiro murcho e enrugado.
            Sim, não notam os SEUS traseiros, mas não tiram seus olhares 46,5º do traseiro de outrem principalmente se for um daqueles que se inflam dentro de sufocantes calças strech e ínfimas mini-saias que saracoteiam, apetitosos pomos que palpitam feito inchaços inflamados pela efervescência da tenra idade praticamente clamando por nossos olhares.
            Bom, quanto “A” bunda ou “O” bunda serem o mesmo e ficar “em todos” em um lugar de difícil visualização senão por torção ou espelhamento jamais se chegara a um denominador comum, pois esse quase incólume órgão de leveza e ao mesmo tempo insustentável por ter peso máster no caráter e sendo ele a preferência nacional, senão mundial, sabemos apenas que é, e não se discute o como é... Só é... BUNDA.
            Aí, no bunda vai, no bunda fica ou no bunda nada, fica a difícil decisão, pois no meu bunda não vai nada e nem fica por que não permiti que fosse e se não foi então nada, mas fica a interrogação... Se nada, desde quando meu bunda virou uma piscina ?

Pode ser que se discuta sobre peitos depois...
Abundamentos, que se fosse com as mãos seriam aplausos.


sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

TEMPO DE ESPERA

Enquanto o tempo apenas passou para a maioria, pra mim ele foi passando por cada pontinho que rodeia os numerários do marcador de tempo entre um ponteiro e outro.

E assim fui a cada marcação fazendo um novo acontecimento para que todos eles juntos me trouxessem de volta.

Incomensurável é a saudade que de todos tenho...

Um pouco do que fiz enquanto na terra entrevada eu lutava...

Ass. Xipan Zeca

COLECIONADOR

COLECIONADOR

O colecionador tem uma forma agradável de ser o guardador soberano do interesse solitário de guardar algo sem valor monetário e tão somente a ele agrega-se o poder de ter.

Sem a importância do bem guardado, se são vitorias ou derrotas todas têm o sentimento inoportuno da satisfação pessoal independente da ação usada e a forma na qual se predispôs no aparte do fato.

Não basta a lembrança apenas, tem que haver solidez no corpo que se habita, tocar e sentir na busca do sentimento pelo idolatrado, mesmo que seja inanimado.

São inúmeras as faces do colecionador, e tão quantos são inúmeros os objetos colecionáveis em todas as etapas da sua existência.

De tão insano e apocalíptico que é, torna-se o próprio bem colecionado.

*Escrínio2012

quarta-feira, 1 de maio de 2013

ACONTECIMENTO DO ANO...


MAIO


Amigos, jamais imaginei que fosse durar tanto
Tantos amigos e o tempo é que é pouco
Pouco é o tempo que passei com os amigos
Durou tanto por causa dos amigos
E se durou tanto, o pouco virou infinito
Então comemoro "iscrivinhando" isso

Oferecendo a todos
Um mimo um tanto bonito quanto esquisito
Procêis levar pra casa
E se num tive serventia
Ocêis pode joga nu lixo

Que dispois que ocêis levô e jogô
Eu já num vo sabe mais disso....

DeusssssssssssssssssssssssssssssKiajude !!!


QUEM QUERÊ PODI LEVAR O SELO COMEMORATIVO
MAS CUM UMA CÃODIÇÃO
"NÃO PONHÊM NA HORTA PRA ISPANTÁ PASSARINHUS"



Meus sinceros gardecimentos
E adiscurpiem Eu, por durar tanto assim.... hehe!!

********************************************************

quinta-feira, 4 de abril de 2013

ASSIM DIZ O DITADO...

DIZ O DITADO QUE

"QUE É DE MENINO QUE SE TORCE O PEPINO"

ASSIM SENDO


video

"É DE MOLECA QUE SE SOLTA A PERERECA"

Nossa!! Mái eu num sabia que sortava tanto anssim... ixê!

DeusssssssssssssssKiajude
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...